Assim como Aline, outros 63 sorrisenses iniciaram o ano passando por procedimentos cirúrgicos variados como de otorrinolaringologia, ginecologia, oftalmologia e situações  gerais com intervenções cirúrgicas de vesícula, hérnia e rins. Para atender às variadas situações, o Município investiu R$ 126.578,32. Isso somente nos procedimentos cirúrgicos de 2022, além deles há as pré-consultas; exames pré-cirúrgicos, transporte – no caso de quem é atendido fora do Município; e acompanhamento que também são custeados pela Prefeitura.

Hoje mesmo, outros sorissenses passam por procedimentos semelhantes. “Nesta segunda-feira (31), temos pacientes que estão passando por cirurgias aqui em Sorriso e também em hospitais de Nova Mutum, todos os procedimentos são 100% custeados pelo Município. Quando é fora de Sorriso, além do procedimento também ofertamos apoio de transporte e hospedagem para pacientes e acompanhantes", destaca o secretário de Saúde, Luís Fábio Marchioro.

O gestor da pasta lembra que todos os procedimentos são adquiridos por processos legais na iniciativa privada e obedecem à fila de espera da Central de Regulação da Secretaria Municipal de Saúde. “Estamos seguindo a ordem da fila e atendendo situações identificadas como de prioridade de casos pelos médicos”, pontua. A porta de entrada para qualquer procedimento realizado é sempre a Unidade Básica de Saúde. A partir do atendimento na UBS é que o paciente recebe as orientações médicas, faz os exames necessários e é encaminhado para a cirurgia, caso o médico confirme a necessidade.

Hoje há uma fila de espera por operações que antes eram realizadas pelo Governo do Estado, e que desde então vem sendo adiadas devido à pandemia. “O Governo do Estado limitou as cirurgias eletivas ainda no começo da pandemia em março de 2020 e vem retomando aos poucos; então nesse momento estamos buscando aliviar essa fila”, explica Marchioro. “Destacamos que pacientes que estão aguardando esses procedimentos devem ficar atentos aos contatos realizados pela equipe de regulação da Secretaria”, salienta.

Para alguns procedimentos, como de otorrino, a fila já está quase no fim, especialmente no caso de crianças de até 12 anos de idade, que já foram praticamente todas realizadas.
 

 

O secretário explica que como as cirurgias são adquiridas da iniciativa privada, elas estão sendo realizadas de acordo com cronograma próprio de cada unidade hospitalar. “Há procedimentos mais demorados para realização, então tudo precisa passar por planejamento”, diz.

O programa foi colocado em prática no início de 2021. De janeiro a dezembro do ano passado foram realizados 2.410 procedimentos com o investimento de R$ 4.778.642,09 na aquisição dos procedimentos. Desse valor, R$ 2.634.000,00 integram parte do duodécimo devolvido pela Câmara de Vereadores em 2020 e o restante é de recursos municipais. Somando as ações de 2021 e 2022, já foram adquiridas e autorizadas 2.474 cirurgias com o investimento de R$ 4.905.220,48.

“Agradeço ao prefeito Ari Lafin, pois quando apresentamos os números da fila e a necessidade da população, ele nos deu apoio, e, mesmo não sendo obrigação do Município autorizou o programa, o que, permite que levemos mais qualidade de vida aos cidadãos de Sorriso”, completa Marchioro.