O novo delegado vai ficar responsável, entre outras demandas, pelo atendimento a mulheres, idosos, crianças e adolescentes que tenham sido vítimas de violência doméstica, o “Núcleo Maria da Penha”.  “Precisávamos de mais um colega para somar conosco e contribuir para o trabalho de investigação”, destacou o titular da PJC, José Getúlio Daniel. Só para se ter uma ideia do volume de trabalho na delegacia da PJC, de janeiro até agora, já foram concluídos 543 inquéritos e solicitadas 150 medidas protetivas, complementou o delegado Márcio Portela.

“Somos sensíveis a esta demanda, vínhamos reforçando este pedido ao Governo do Estado e é com muita satisfação que damos as boas vindas ao delegado”, comenta o prefeito de Sorriso, Ari Lafin, contextualizando ao novo integrante que o Município também contribui com a as forças de segurança com cedência de funcionários, a concessão de jornada delegada e a destinação de recursos via Fundo Municipal de Segurança Pública (Fumsep).

Atualmente, a jornada delegada já é realidade para policiais militares e a Prefeitura, junto com o Judiciário e com o Legislativo, busca estender a ação a bombeiros e policiais penais. Por meio da jornada delegada, é feita uma complementação do salário pelo trabalho no período em que os profissionais de segurança estariam de folga.

“Mesmo sendo constitucionalmente função do Estado, as ações em Segurança Pública devem ser executadas por nós também e de forma coletiva, compartilhada”.

“Aqui nosso foco é solução de problemas”, resumiu o comandante do 12.º Batalhão da Polícia Militar (PM), tenente-coronel Jorge Almeida, que é secretário-executivo do GGI. Além da apresentação do novo integrante da PJC, que se colocou à disposição dos integrantes do gabinete, a pauta da reunião também versou sobre a reforma do Núcleo da Polícia Militar (NPM) do Distrito de Boa Esperança, e alternativas para reduzir os índices de criminalidade no Município.