24/07/2021 às 08h36min - Atualizada em 24/07/2021 às 08h36min

Criança de MT está na fila para testar medicamento produzido pela USP com o Zika vírus para combater o câncer infantil

Pesquisa da USP mostra que o vírus da Zika pode combater tumores cancerígenos. Os primeiros resultados em animais mostraram que em três dias o vírus destruiu as células.

G1 MT
Gabriel está fazendo tratamento mas aguarda medicamento que está sendo desenvolvido pela USP — Foto: Arquivo pessoal

Gabriel Amaral Gonçalves Pequeno, de 5 anos, que mora em Cuiabá, aguarda na fila prioritária para obter um medicamento que combate o câncer infantil, mas que ainda está em fase de pesquisa. Ele possui meduloblastoma grau quatro, que consiste em um tumor no cérebro. Esse é o segundo maior tipo de câncer que atinge crianças. O primeiro é a leucemia.


Os pais aguardam ansiosos pela conclusão da pesquisa desenvolvida pela Universidade de São Paulo (USP), em 2018, que mostra que o vírus da Zika pode combater esse tipo de câncer.


A pesquisa aponta a eficácia no tratamento com animais e iniciaria a ser testada em humanos, mas está paralisada devido à pandemia da Covid-19.


"O Gabriel é forte e resiliente, mas a demora desse ensaio clínico pode ser crucial para o seu tratamento. Ele não pode perder nenhum tempo. Essa pesquisa é a nossa esperança", disse o pai do menino, Gildasio Pequeno.


Em março do ano passado, a contadora Jeanne Amaral Gonçalves Silva, que é mãe de Gabriel, percebeu que o filho começou a ter desequilíbrios constantes ao andar. Então, a família decidiu levá-lo ao médico e após exames ele foi diagnosticado com meduloblastoma e precisaria de cirurgia para a retirada do tumor.


Após a cirurgia, ele começou o tratamento com quimioterapia e radioterapia.


No final do ano passado, novos exames informaram que o tumor havia voltado e está em estágio avançado.


Os médicos explicaram que não há outro tipo de tratamento para Gabriel. Atualmente, ele perdeu os movimentos do corpo e faz o uso de ventilação mecânica.


Jeanne viu a pesquisa e tentou entrar em contato com a coordenadora, a bióloga e geneticista Carolini Kaid, que incluiu Gabriel na lista de prioridade para fazer parte do tratamento experimental.


Gabriel está na fila prioritária para tratamento com medicamento desenvolvido pela USP — Foto: Arquivo pessoal

Gabriel está na fila prioritária para tratamento com medicamento desenvolvido pela USP — Foto: Arquivo pessoal


O médico de Gabriel então autorizou que ele participasse para que tenha a possibilidade de ter uma melhora no quadro de saúde.


Com a pesquisa, Jeanne espera que o tratamento possa curar o filho.


"Espero que o tratamento seja a cura. Pois atualmente não tem nenhum outro tratamento que traga a cura", contou.


Pesquisa

Pontos coloridos mostram o tumor; à esquerda, uma cobaia com tumor sem nenhum tratamento. Progressivamente, nota-se como o tumor vai desaparecendo paulatinamente com as injeções do vírus da zika. Células tumorais foram modificadas para emitirem luz. — Foto: Núcleo de Divulgação Científica/USP


A USP desenvolveu uma pesquisa em 2018 que mostra que o vírus da Zika pode combater tumores de alguns tipos de câncer. Os primeiros resultados verificados ainda em lâminas no laboratório mostraram que em três dias o vírus destruiu as células dos tumores observados.


O próximo passo dos pesquisadores do Centro de Estudos do Genoma da USP, do Instituto Butantan, do Laboratório Nacional de Biociências e da Universidade Federal de São Paulo, foi aplicar o vírus em camundongos com tumores agressivos do sistema nervoso central.


Os resultados mostraram que em cinco semanas, há uma remissão total do tumor, o mesmo que Gabriel possui.


A realização de testes em humanos já foi autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).


Cientistas descobrem que vírus da Zika pode ser aliado no tratamento contra tumores

Cientistas descobrem que vírus da Zika pode ser aliado no tratamento contra tumores


Câncer infantil

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer, o câncer infantojuvenil corresponde a um grupo de várias doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo.


Por serem predominantemente de natureza embrionária, tumores na criança e no adolescente são constituídos de células indiferenciadas, o que, geralmente, proporciona melhor resposta aos tratamentos atuais.


Os tumores mais frequentes na infância e na adolescência são as leucemias (que afetam os glóbulos brancos), os que atingem o sistema nervoso central e os linfomas (sistema linfático).


Também acometem crianças e adolescentes o neuroblastoma (tumor de células do sistema nervoso periférico, frequentemente de localização abdominal), tumor de Wilms (tipo de tumor renal), retinoblastoma (afeta a retina, fundo do olho), tumor germinativo (das células que originam os ovários e os testículos), osteossarcoma (tumor ósseo) e sarcomas (tumores de partes moles).


No Brasil, o câncer é a primeira causa de morte por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos, o que representa 8% do total.


Hoje, em torno de 80% das crianças e adolescentes acometidos da doença podem ser curados, se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados. A maioria deles terá boa qualidade de vida após o tratamento adequado.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://regionalnewsmt.com/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp